sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

David Goldman case - Imprensa brasileira põe fim ao silêncio

Felizmente esta semana o caso Sean Goldman ganhou mais visibilidade no Brasil, onde por motivos outros, impedia que a noticia viesse a publico. Pouco ou quase nada foi divulgado pela imprensa local.
Coincidindo com a data do encontro do Ministro das Relacoes Exteriores do Brasil Celso Amorim com a Secretaria de Estado Americano Hillary Clinton, o nytimes de 25 de Fevereiro de 2009, publicou matéria sobre o caso que já era noticia na midia americana há bastante tempo. Finalmente ontem virou também noticia no Brasil. Em alguns jornais a noticia esta sendo publicada na integra, mas alguns outros mostraram ser explicitamente tendenciosos e omitem nomes dos envolvidos e os fatos em si. Mas o que importa mesmo e que agora a verdade esta aberta e exposta.
Para entender melhor, aqui esta uma reportagem publicada em 26/02 aqui com entrevista do advogado brasileiro do Sr. David Goldman.
Para saber mais sobre esse caso visite este site: http://bringseanhome.org/letter_port.html e caso queira ajudar o David assinando esta petição.

'quote



http://oglobo.globo.com/blogs/brasilcomz/post.asp?t=imprensa-brasileira-poe-fim-ao-silencio-no-caso-goldman&cod_post=164429

'Quote
Enviado por Eduardo de Oliveira -
26/2/2009
-
20:48

Imprensa brasileira põe fim ao silêncio no caso Goldman
A brasileira Bruna Bianchi posa junto com o marido David Goldman e o filho Sean. Há quase 5 anos, Bruna levou Sean para o Rio de Janeiro e iniciou uma batalha judicial capaz de estremecer as relações diplomáticas entre Brasil e EUA. Foto: Aquivo de família.

A mordaça caiu: essa semana os jornais “O Globo,” “O Estado de São Paulo” e “Jornal do Brasil” publicaram reportagem sobre o caso Sean Goldman. “SBT,” “Folha de SPaulo” e “Veja” também devem quebrar o silêncio.

Leia agora uma entrevista com Ricardo Zamariola Junior, advogado do escritório paulista Tranchesi Ortiz & Andrade, representante de David Goldman no Brasil. Foi por causa de um pedido de Zamariola que, em decisão unânime, o Superior Tribunal de Justiça brasileiro resolveu tirar o caso da jurisdição do Rio de Janeiro e passar para fórum federal.

David Goldman, pai de Sean que se está no Brasil há mais de quatro anos, contratou Zamariola porque seu escritório já havia devolvido uma criança para a sua família na Suécia e outra para uma família na Califórnia, EUA.

Embora Zamariola não possa comentar novidades sobre o andamento do processo, tire suas dúvidas sobre os erros da Justiça brasileira e o que David tem feito para levar o filho de volta aos EUA.

É comum a disputa de guarda ser considerada “segredo de Justiça?”
É a regra do código de processo civil que casos de direito de família tramitem em segredo de Justiça. Incomum é um juiz expedir ordem proibindo a divulgação por órgãos de imprensa. O segredo de Justiça restringe o acesso ao processo às partes e seus procuradores. Mas não impede a apuração dos fatos pela imprensa. Alguns órgãos que não foram ameaçados por decisão judicial se recusaram a publicar reportagem.

Então, por que a imprensa brasileira retomou o interesse pelo caso agora?
Primeiro o “New York Times” publicou reportagem e mencionou o encontro de ontem entre Hillary (Clinton) e o Celso Amorim nos EUA. A Hillary falou do interesse do governo americano no caso. Hoje a imprensa brasileira enloqueceu por aqui.

As chances do David de ter a guarda do filho aumentaram com a morte da Bruna?
No plano teórico as chances deveriam ter sido as mesmas sempre. Porque a Convenção de Haia não determina a guarda, mas sim em que fórum deverá ser discutida. Nesse caso o fórum mais adequado é o de Nova Jersey, não o do Brasil. A gente não está tentando discutir a guarda dessa criança no Brasil, e nem poderíamos. Na minha opinião essa criança deveria estar nos EUA há muito tempo.

Mas o Brasil não é obrigado pela Convenção de Haia a retornar Sean aos EUA?
Sim. A Convenção de Haia diz o seguinte: toda vez que uma criança é retirada de um país sem a aprovação da lei local, o país para onde ela foi levada tem que ordenar o retorno dessa criança em até seis semanas.

A criança é ouvida nesses casos?
A convenção diz que a criança deve ser ouvida se demonstrar maturidade livre de influência. Por mais madura que seja uma criança de menos de 12 anos, acho difícil o juiz levar em consideração apenas a opinião dela. Depende do caso. Em tese, o juiz pode acatar a vontade de uma criança de 5 anos e rejeitar a de uma de 15.

Como um pai biológico vai ver seu filho no Brasil em outubro, e só consegue fazê-lo em fevereiro?
Primeiro a Justiça brasileira proibiu ele de ver o filho. Quando o direito de visita foi concedido, por alguma razão o padrasto não estava lá com a criança.

O que aconteceria se eu me recusasse a apresentar a criança para a visita do pai?
Você iria preso, assim como eu também iria.

Será que David poderia pedir indenização pelo que ele passou nos últimos 4 anos?
Poderia sim. Mas por enquanto a gente não está pensando nisso. Estamos concentrando todas as nossas energias em como levar a criança de volta para os EUA.

Leitoras disseram que brasileiras pensam duas vezes antes de ter filhos fora do Brasil. Esse receio tem base?
Tenho diversas ações como esta tramitando no meu escritório. No Brasil se discute essas causas como se fosse ações de guarda, e não são. Como os juízes tratam essas causas como ações de guarda, eles têm deixado as crianças com as mães, independente de o quão ilícita tenha sido a forma como a criança entrou no Brasil. Aqui no Brasil, as mães estão ganhando a maior parte dos processos.

Então pode ter sido esta a motivação da Bruna de levar o Sean para o Brasil?
Não tenho a menor dúvida disso.


unquote'.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Meyer lemon




Na area onde moramos quem tem quintal, patio ou mesmo uma pequena varanda, certamente tem uma arvore da familia dos citrus. E fato importante, produzem o ano inteiro. Algumas arvores ficam tao carregadas de frutos que se quebram. Muitas sao plantadas na frente das casas, em area aberta, sem cercas nem muros, e ninguem pega. Civilidade!

Esses meyers lindoes que estao na fruteira vieram do quintal de amigos K&G. Ja usamos quase todos e fiz um bolo muito bom que logo postarei aqui.

A receita do manjar

A receita do manjar
Ingredientes:

1 lata (440g) de leite condensado

1/2 litro de leite integral

1/2 litro de creme de leite fresco (aqui uso um litro de half & half)

250ml de leite de coco

5 col. (sopa-bem cheias) de amido de milho

1 xic. de coco ralado, fino ou grosso (uso seco, integral, sem adição de açúcar)


Preparo: Primeiro misture o coco seco com o leite de coco e deixe hidratando por uns 20 minutos.

Depois junte todos os ingredientes numa panela de fundo grosso, misture bem e leve ao fogo brando sem parar de mexer com um batedor de arame (whisk) ate estar cozido e cremoso. (ter o cuidado de cozinhar bem para evitar que fique com gosto de amido cru).Despejar o creme numa forma, previamente untada bem levemente com óleo de canola (ou outro óleo neutro em cheiro de sabor) e passada ligeiramente por agua fria. (isso ajuda a desenformar o doce sem quebra-lo).

Cubra com filme plástico tocando toda a superfície do creme - isso evita formação de película mais dura.

Leve a geladeira por no mínimo 4 horas, ou overnight.

Para desenformar ou transferir ao prato de servir, passe uma faca fina pelas bordas da forma antes de virar o manjar sobre o prato.

Sirva com ameixas em calda.
Ameixas em calda:400g de ameixas secas sem caroços1/2 litro de agua filtrada1/2 xic. de açúcar cristal grosso (integral)1 pau de canelaColoque as ameixas na agua ate estarem hidratadas. Junte o açúcar e pau de canela e leve a ferver por 10 minutos. Deixe esfriar para servir, ou sirva quente sobre o doce frio.





manha ensolarada e lindo céu azul, aqui na minha vizinhança.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

a top favorite dessert - Manjar de Coco com Calda de Ameixas




A quem costuma vir aqui quero me desculpar. Ando meio omissa nas postagens e visitas. O fato é que em epoca pré-ferias tudo fica corrido e falta tempo. E no meio da correria a vida segue normal, celebra-se aniversários, visita-se amigos, recebe-se amigos e por ai vai.

Não sei se já mencionei aqui, mas perdi as contas de quantas vezes ja preparei manjar de coco. A primeira vez que fiz, fiquei receosa se agradaria, pois para brasileiros essa é uma sobremesa tão ordinária. Confesso que ate hoje não entendo como caiu no gosto e continua ser a preferida da " mix-gringo-gang". Virou um must. Tem alguns casos engraçados. Um deles foi no Thanksgiving do de 2007. Fiz um enorme manjar a pedidos, e levei ao jantar na casa dos amigos que costumamos passar a data nos últimos 4 anos. Foi muito engraçado observar a dona da casa vigiando o doce toda vez que alguém ia se servir, torcendo para que não comecem muito, e que sobrasse mais. Fiquei sabendo por ela, que no dia seguinte ao jantar, um dos convidados ligou perguntando se podia ir la buscar um pedaço do doce, visto que havia sobrado bastante. (Bom mencionar que por aqui isso não é nada comum).
Em outra ocasião, vi o dono da casa onde fomos para um almoço informal tipo potluck, pegar a metade do manjar, depois que todos já haviam sido servidos e ir esconde-lo no fundo da geladeira.

Bem, já distribui a receita a todos, mesmo assim ainda continuam me pedindo pra levar esse doce a cada oportunidade que surge.
Nota: Nao estou colocando a receita aqui, pois acho que todos tem uma receita desse doce tao comum. Caso alguem nao tenha, é so falar que mando por email.

sábado, 14 de fevereiro de 2009

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Nega Maluca


Sexta-feira chuvosa e uma saudade tão forte da minha mãe. Bem, sinto saudades dela sempre, mas tem dias que bate mesmo muito forte. Resolvi que alem de falar com ela ao telefone, tinha também que fazer alguma coisa que lembrasse a casa dela. Decidi pelo bolo Nega Maluca, que ela faz como ninguém. Ah, como coisas tão simples podem ser tão boas e trazer tanto conforto!

Ingredientes:
1 xic. de açúcar (usei integral amarelo)
3 ovos
1 xic. de óleo de canola
2 xic. de farinha de trigo (usei meio a meio integral e branca)
1 xic. de chocolate em pó (usei 70% cacau)
1 col. (chá) de extrato de baunilha
1 xic. de agua fervente
1 col. (sopa) de fermento em pó

Preparo: Bater os ovos e açúcar ate ficar cremoso, juntar o óleo e bater mais um pouco. Juntar o chocolate em pó, a baunilha, a agua quente e alternadamente a farinha. Por ultimo juntar o fermento e misturar bem. Colocar em forma untada e enfarinha o ou forrada com papel manteiga e assar em forno médio por 40 minutos - sempre bom fazer o teste do palito para conferir se esta devidamente assado. Deixe o bolo esfriar sobre uma grade por 20 minutos, e cubra com a calda feita com:
Calda: 1/2 xic. de açúcar, 3 col. (sopa de manteiga) 1/2 xic. de chocolate em pó e 1/2 xic. de leite, 1 col. (chá) de canela moída - juntar todos os ingredientes e levar a ferver ate ficar com espessura de xarope. (Usei um palito de bambu para furar o bolo antes de cobrir com a calda).

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

ja se faz notar...

... por todos os lados, que a Primavera esta a chegar!


Bunashimeji (beech mushroom)

Esse tipo de cogumelo e bastante delicado e delicioso. Alem de ter um monte de valores nutricionais.
Compro sempre num mercado asiatico enorme, que fica a caminho do meu Dentista, em Cupertino.
Sempre o faco do mesmo jeito, ou seja; salteado rapidamente em oleo de milho, molho de peixe (japones) e molho de soja. Servido sobre arroz japones, salpicado com cebolinha verde picada. (Foi dessa maneira que a moca a qual pedi uma dica, me disse ficaria bom.) Gostamos tanto que nem quero arriscar outras formas de preparo. Simple as that!

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

David Goldman revê seu filho Sean

http://bringseanhome.org/media_port.html

Este é mais um post que não esta relacionado a culinária ou afins. Se você se sente decepcionada(o), sorry!!!

Mais uma vez nesse meu espaço falo sobre este caso que me tocou forte e que quero divulgar. Não quero expor aqui minha opinião pessoal (mesmo que já pareça bastante óbvia), nem fazer ou gerar polémicas. A intenção aqui não é esta, e não outra senão divulgar o fato em si. Quero ajudar. Nesse caso, divulgar é preciso e pode ajudar muito. Mesmo que seja uma ajuda pequena como esta. Creia-me, o conjunto dessas pequenas ajudas, pode e esta fazendo toda a diferença nesse caso.

Finalmente a midia brasileira, pelo menos a escrita, ate onde sei, esta a publicar noticias sobre o caso David Goldman. Parece que a barreira que a impedia de divulgar caiu. Felizmente! Melhor ainda, vem com uma noticia muito boa, pois depois de mais de 4 anos lutando para ver o filho, David e Sean finalmente puderam se reencontrar ontem. Eu, pessoalmente estou muito feliz por eles.

Hoje o programa Today Show da NBC, fala sobre o reencontro.
E o Estadao de hoje publicou o texto abaixo, que esta também em outros veículos de comunicação.

*quote*

"Americano revê filho 'sequestrado' pela mãe brasileira
AE - Agência Estado - terça-feira, 10 de Fevereiro de 2009

SÃO PAULO - Quase cinco anos depois, o americano David Goldman conseguiu ontem, na presença do deputado americano pelo Partido Republicano Chris Smith, rever seu filho de 8 anos, que a mãe brasileira, Bruna Ribeiro, trouxe para o Brasil em julho de 2004. Goldman briga pela guarda do filho, reivindicando o cumprimento da Convenção de Haia, pela qual países signatários se obrigam a repatriar para o país onde vivia a criança ?sequestrada?. Bruna veio de férias com o filho para o Rio e não voltou para os Estados Unidos. Ela moveu uma ação na Justiça fluminense de guarda do menor. Paralelamente, se envolveu com o advogado João Paulo Bagueira Leal Lins e Silva, de quem ficou grávida. Ela morreu ao dar à luz a filha do casal, em agosto.Goldman achou que reaveria a guarda do filho, mas Lins e Silva requisita a ?paternidade afetiva?. O conflito judicial se dá entre a 2ª Vara de Família do Estado e a Justiça Federal, na qual a Advocacia-Geral da União ingressou com ação pedindo o cumprimento da Convenção de Haia. O conflito deverá ser julgado amanhã, quando os ministros da 2ª Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) voltarão a se reunir. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo." *unquote*




o botão abriu numa nova e linda orquídea, e dedico a eles: pai & filho

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

orquideas


Depois de 8 meses voltou a florir...

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Quiche de alho poró e ricota


Alho poró esta no topo da lista dos vegetais que mais gosto. Muito bom e fácil de fazer combinações com seu sabor levemente adocicado e suave. Também gosto muito de quiches. Então para dar fim e bom uso a um pouco de ricota, cheguei a essa invenção que acabou dando certo.
Massa:
1 xic. de farinha de trigo (usei meio a meio farinha integral e farinha branca)
3 col (sopa) de manteiga gelada
1 pitada de sal
2 col. (sopa) de agua gelada (mais ou menos, coloque aos poucos)
Misture com as pontas dos dedos a farinha e a manteiga em cubinhos, o sal e junte aos poucos a agua gelada. Não trabalhe muito a massa. Coloque numa forma e espalhe a massa com as mãos cobrindo o fundo e laterais. Coloque a forma já preparada na geladeira e então comece a preparar o recheio com:
2 xic. de alho poro em rodelas finas (parte branca e a verde claro), refogada em 1 col. de azeite
2 ovos grandes
1 xic. de ricota
1 xic. de leite
1/2 xic de queijo parmesão ralado grosso
sal e pimenta a gosto
Preparo: Bata ligeiramente os ovos, junte os demais ingredientes e coloque na forma preparada. Leve para assar por 40 minutos em forno pré-aquecido. Para saber se esta assada, teste com o palito no centro da quiche.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

kibe



Se tem uma coisa na vida que eu não posso mesmo reclamar, é de ter um marido chato pra comer. E alem do que, ele também cozinha, e muito bem!
Quando se trata de comidas que ele aprendeu a gostar - que conheceu e comeu pela primeira vez no Brasil - ele se desdobra em elogios. Quando temos visitas, e isso acontece, fico meio sem graça de tanto que ele fala bem, pois vai que a pessoa que vai experimentar pela primeira vez acaba não gostando...pode ser uma tremenda sai justa. Felizmente não aconteceu...ainda!
Já fazia muito tempo que não fazia kibe (a ultima foi quando da copa do mundo de futebol), quando fiz muitos no tamanho aperitivo, que foi servido aos nossos amigos que aqui vieram assistir aos jogos que caíram no fim de semana.
Esse Domingo tivemos por aqui o 43 Super Bowl - final do campeonato. O evento tem la os comes e bebes típicos para a época. Mas aqui em casa nada nada é tão típico, então fiz kibe para agradar marido e filho - essa delicia do oriente médio que caiu nas graças dos brasileiros e agregados.

Nota1: Usei uma fritadeira eletrica para frita-los na varanda, pois com casa fechada e aquecedor ligado esse tipo de fritura não é nada aconselhada.

Ingredientes:
2 xic. de trigo para kibe - (deixei de molho em agua fria filtrada por 4 horas) depois bem escorrido sobre uma peneira.
600g de carne bovina sem gordura, moída - moí em casa
1 cebola grande ralada fino (passei no processador)
1 col. (sopa) de um mix com: allspice, pimenta-do-reino, coentro, cominho, cravo, canela, e noz -moscada (compro esse mix num bazar árabe)
Hortelã fresca picada - a gosto
Sal quanto baste

Preparo: Misture tudo muito bem e reserve. Enquanto isso prepare o recheio.
Refogando 300g de carne bovina moída, em azeite com uma cebola pequena picada, sal, pimenta e cominho a gosto. Uma mão cheia de nozes quebradas ou pinholes levemente tostados. Cebolinha verde picada.
Faca os kibes do tamanho que preferir recheando com o refogado. Molde em formato oval com as pontas mais afuniladas. Frite em óleo quente e escorra em toalhas de papel.
Servi com húmus, pão pitta e legumes crus.
Nota2: Pode-se fazer kibe assado, para isso bata dividir a massa em 2 partes, colocar numa forma com recheio espalhando no meio e salpicar pedacinhos de manteiga - ou azeite - por cima e assar ate estar dourado.