quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Terremoto, uma expêriencia...

Hoje o susto já passou. Mas a experiência faz pensar, pensar muito e é noticia local .
Quem mora aqui na Califórnia sabe que temos pequenos terremotos todos os dias. Com variação de intensidade, e em diferentes regiões, basta dar uma olhada aqui .
Apesar de bem informados, sempre somos pegos de surpresa.
Podemos com precisão saber a previsão do tempo. Quando e quanto vai chover, esfriar, fazer calor, quanta neve vai cair, onde vai ser, etc e tal. Mas os terremotos, esses, vem sempre inesperadamente.
Algumas outras vezes eu já havia sentido tremores menores, com uma sensação de vertigem rápida e passageira. Mas ontem a noite foi forte, 5.6 de intensidade.
De repente o mundo balança. Fiquei paralisada pela surpresa, confusa pela profusão de barulhos que não conseguia identificar. Olhei pela janela, vi os carros parando...chamei pelo meu marido que via televisão na sala. Ele veio rápido e disse, " yes, yes, it's an earthquake, don't worry, come here" - mais experiente, pois já ele viveu tremores bem mais fortes por aqui - me puxou para um lugar mais seguro na casa, onde nada pudesse cair sobre nossas cabeças, me abraçou forte e assim ficamos, até que aqueles poucos segundos passassem. Segundos que duraram uma eternidade pela profusão e velocidade dos nossos pensamentos.
Ai veio o silencio, um silencio absurdo. A única coisa que se ouvia eram as batidas dos nossos corações ainda assustados. Aos poucos notamos que tudo havia passado. Um sino de vento ainda tilintando, as cortinas, a lâmpada sobre a mesa de jantar ainda balançavam. Abrimos a porta da varanda e vimos a água da piscina tremendo, parecendo em ebulição. Os vizinhos saiam para fora de suas casas conversando, carros retomavam seus caminhos.
Saímos para ver se na garagem alguma coisa havia despencado. Estava tudo em ordem. Encontramos um casal de vizinhos que acabavam de chegar em casa e foram pegos enquanto ainda dirigiam. Comentamos o incidente. Uma outra vizinha já levava seu cachorro inquieto para passear e contou-nos que na casa dela alguns objetos caíram das prateleiras.
Felizmente nada de ruim nos aconteceu, nem na nossa casa.
Voltamos a ver televisão para se ter mais notícias e mais tarde ir dormir, com a certeza da nossa vulnerabilidade.

terça-feira, 30 de outubro de 2007

trick-or-treats... happy halloween!!!
























Já disse e repito, sou uma novata na arte de cozinhar.
Mas, docinhos! Ah, esses eu aprendi a fazer bem cedo.
Sempre arranjo uma boa desculpa para te-los por perto...
and halloween just arrived!
Então vamos aos beijinhos, docinhos
...

Beijinhos de Coco
Ingredientes
- 2 latas de leite condensado
- 2 colheres (sopa) de manteiga
- 300 g de coco fresco ralado fino
- Açúcar cristal
- Cravos-da-índia para enfeitar
Modo de preparo
Numa panela de fundo grosso, misture as 2 latas de leite condensado, 2 colheres (sopa) de manteiga e 300 g de coco fresco ralado fino, leve ao fogo baixo, deixe apurar por mais ou menos 15 minutos - até soltar do fundo da panela
Retire do fogo e deixe amornar.
Faça bolinhas, passe pelo açúcar cristal, coloque em forminhas e finalize com cravos-da-índia.
Docinhos de Abóbora
Por não terem fiapos, butternut squash or kanbutiã (a.k.a, abóbora japonesa), são as melhores para fazer os docinhos. Usei a japonesa que cortei em pedaços grandes, tirei as sementes e assei com casca envolta em papel alumínio ate ficar macia. Tirei as cascas e transformei em puré.
A abóbora pode ser cozida em água ao invés de assar, mas ai deve ser bem escorrida.
Ingredientes:
- 500g de puré de abóbora
- 1 lata de leite condensado
- 1 colher (de sopa) de manteiga
- 4 cravos-da-índia
- Açúcar cristal * usei açúcar cristal multicolorido
Modo de Preparo
Numa panela de fundo grosso, misture o puré de abóbora, leite condensado, a colher de manteiga e os cravos, em fogo baixo, mexendo sempre até desprender do fundo da panela (de 15 a 20 minutos)
Retire do fogo, deixe amornar e descarte os cravos.
Enrole os docinhos e passe pelo açúcar, coloque em forminhas e decore a gosto.

segunda-feira, 29 de outubro de 2007

é saudade, da boa ...






















Que bom ter uma amiga que não me esquece e também não me deixa esquece-la . Obrigada Mara querida, pela amizade bacana, pela lembrança deste lugar tão lindo e pelas fotos do edifício onde foi meu lar. Tenho saudades das nossas caminhadas pela praia, das conversas boas e longas, mais longas até, que nossas caminhadas. Coisas boas de lembrar...pra sempre!

Sábado bem brasuca em San Francisco










Estivemos la algumas vezes, sempre para jantar. Já levamos nossos amigos, húngaros, russos e americanos. Desta vez fomos para almoçar e levamos LG para ser apresentado ao mundo das carnes espetadas do churrasco a rodizio.
É ainda muito engraçado ver a reação dos gringos iniciantes, quando da aparição sequencial dos espetos. Olhos arregalados que brilham com intensidade compatível ao nível carnívoro do individuo.
Com o LG não foi diferente, ele gostou e comeu muito. Quanto ao Geo nem preciso dizer, comeu, comeu e comeu...mas isso não e nenhuma novidade.
Eu cá, com meu passado de vegetariana falida, com satisfação observando o programa familiar e aguardando com ansiedade a sobremesa. Para mim mousse de maracujá - deliciosa - servida numa crosta de caramelo crocante - bonita, mas absolutamente dispensável - para o Geo, pudim de leite com calda de caramelo. E o LG não gosta de doces! pois é. E, la se foi mais um dia feliz e de muita comilança.







terça-feira, 23 de outubro de 2007

Gulyash...



Para hungáros Gulyash, aqui Beef Stew e lá na terra Brasílis o popular Picadinho ou Carne de Panela


Esse tipo de comida simplista é muito comum no leste europeu. Sorte minha, principiante que sou, tenho me saido bem e conseguido alimentar o marido.

Muito simples de fazer, é uma refeição completa que pode ser incrementada com colheradas de sour cream, salada de folhas e pão.

Esquente 4 colheres de azeite em uma panela grande e refogue 3 cebolas médias, finamente picadas e 500g de carne bovina cortada em cubos. Quando a carne comecar a dourar e a cebola estiver translucida, adicionar 1 dente de alho espremido, 2 xícaras de caldo de carne, 2 colheres (sopa) de extrato de tomates, sal e pimenta moida o quanto gostar, 2 colheres (sopa) de páprica doce e 1 colher (chá) páprika picante, 1 folha de louro. Misture bem até comecar a ferver. Tampe e deixe cozinhar em fogo baixo por mais ou menos 1 hora ( se preciso, adicionar pingos de água durante o cozimento). Quando a carne estiver macia adicione 4 batatas cortadas em pedacos grandes. Tampe e deixe em fogo baixo até terminar o cozimento. Salpique salsinha picada e bom apetite.






segunda-feira, 22 de outubro de 2007

depois da secura, a primeira e tão esperada chuva


Daqui pra frente serão raros os dias ensolarados de céu azul. Os dias ficarão curtos e cinzentos e as noites longas e frias.

quarta-feira, 17 de outubro de 2007

donuts, fánks ou simplesmente sonhos




Donuts, por aqui temos muitos, todos os tipos...em qualquer lugar... Mas sonhos, esses não.
Já fazia muito tempo que eu não comia um donut, ou melhor um sonho. Daqueles tão comuns nas padarias no Brasil. Ou melhor ainda, aqueles do lanche da tarde, preparados por minha mãe, ou por minha avó, recheados com doce de leite ou goiabada.
Na Hungria são chamados de fánk, enormes e fofos e geralmente servidos com geleias de ameixa, cereja e damasco, polvilhados com açúcar fininho.

Fiz os Donuts com base na receita que vi aqui .

Ingredientes:
500 g de farinha de trigo comum
(a receita original pedia 300g de farinha de grano duro e mais 200g de farinha comum - usei só a farinha comum)
80g de açúcar
5 g de sal
2 pacotes (20g cada) de fermento para pão
1 colher (café) de noz-moscada ralada (que misturei ao leite morno) isso acrescentei por minha conta
250 ml de leite morno
1 ovo
40g de manteiga

Cobertura: uma calda feita com 200g de açúcar, suco de um limão e 50 ml de agua (não usei a calda, polvilhei só com açúcar fininho - de confeiteiro - com geleia de damasco e doce de leite)

Modo de preparar:
Misturar os ingredientes secos e aos poucos juntar o leite morno e o ovo batido ligeiramente, amassando bem e aos poucos incorporar a manteiga. Se precisar pode-se acrescentar um pouco mais de farinha.
Importante: a massa deve ficar homogénea e elástica.
Faca uma bola, coloque em uma tigela funda coberta com filma plástico e deixe descansar por 45 minutos. Passado esse tempo, amasse um pouco mais e estique a massa sobre uma superfície enfarinhada ate obter 1cm de espessura. Use um cortador de diâmetros diferentes para formar os donuts. (usei uma xícara de chá e um copinho tipo aperitivo para o buraco do centro - sou uma principiante, né!)
Deixe descansar por mais 45 minutos e fritar em óleo de sabor neutro, girassol ou canola em temperatura media 180ºC / 350ºF. Escorra em papel absorvente e ainda quentes regue com a calda ou polvilhe o açúcar - como preferir.

segunda-feira, 15 de outubro de 2007

Feijoada brasileira com paprika húngara...




Desta vez não vai ter receita. Só fiz feijoada três vezes e sem receita específica. Tive como base as dicas de uma amiga, e muitas adaptações com ingredientes que pude encontrar aqui onde vivo.