segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

happy 2008 everyone


HAPPY NEW YEAR!
FELIZ ANO NOVO!
BOLDOG ÚJ ÉVET!

terça-feira, 25 de dezembro de 2007

então é Natal, que sejam felizes, todos..


Palácio Avenida - Curitiba-PR - decorado para a tradicional celebração de Natal com coral de crianças.

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

Thanksgiving...

"Gracias a la Vida que me ha dado tanto
me ha dado la risa y me ha dado el llanto,
as yo distingo dicha de quebranto
los dos materiales que forman mi canto
y el canto de ustedes que es el mismo canto
y el canto de todos que es mi proprio canto."

sexta-feira, 16 de novembro de 2007

finalmente... descalços a caminho do mar...







Finalmente ferias!!! Só mais uma semana de grande feriado... e lá vamos nós de mala e cuia a caminho do mar. Carregados de presentes e saudades...muitas saudades. Como e bom voltar!
Não diria voltar pra casa, porque há muito, muito tempo, minha casa não é mais lá. Fiz de muitos lugares minha casa, novos amigos encontrei, uma nova família formei. Mas sim, é lá que estão meus queridos, pessoas que nunca esqueci nem troquei.

Essa cozinha, que mal começou a esquentar os fundos das panelas, estará temporariamente fechada.
A partir de então, depois de uma breve parada por São Paulo, comilança com amigos e muita conversa para por em dia, rumaremos ao sul, para a Bela e Santa Catarina. Já nos imaginamos lá descalços sobre as areias quentes, enrugados de tanto dentro do mar calmo e morno ficar. Com sorte, até uma corzinha pegar, sem arder nem queimar. Os mimos da maezona feliz a nos agradar, as conversas e risadas do pai saudoso. Vai ser muito bom preparar e comer juntos, o peixe fresco comprado no mercado local. Ouvir historias e estorias e gargalhar, jogados numa rede, sem nada a preocupar. Brincar com as crianças, com cachorro e o gato. Acenar para os vizinhos curiosos...e descansar.
Estamos prontos...vamos lá!!!

terça-feira, 13 de novembro de 2007

gulyásleves com tarhonya

Nada melhor que um bom vinho e uma fumegante sopa, para aquecer as noites frias do outono.
Esta, é basicamente um gulyash, que com mais caldo, virou sopa. Bem acompanhada da tarhonya, massa típica da Hungria que se parece com grãos de cevada, facilmente encontrada em lojas de produtos étnicos. Quando dourada em azeite ou manteiga antes de ser cozida, ganha cor, sabor e textura interessantes.
Ingredientes:

1/2 kg paleta sem osso, cortada em cubos
1 cebola picada
2 tomates sem pele e sementes
1 colher (sopa) de páprica picante
1 colher (sopa) de páprica doce
1 pitada de noz-moscada
3 colheres (sopa) de azeite
2 batatas medias em cubos (que serão acrescentadas no final do cozimento, já sem pressão)
sal
pimenta moída
salsa fresca picada
Água o quanto baste

Modo de preparar:
Tire a carne da geladeira algum tempo antes do preparo para que atinja a temperatura ambiente. Na panela de pressão, aqueça a azeite e acrescente a cebola. Frite-a até ficar amarelada. Quando começar a dourar, junte os cubos de carne e frite-os até que fiquem bem dourados, mexendo sempre. Acrescente a páprica picante, o sal e a noz-moscada, sem parar de mexer. Junte os tomates e a agua. Tampe a panela e deixe cozinhar por 25 minutos. A carne deverá estar macia. Tire a pressão, acrescente a batata. Quando a batata estiver cozida, junte a páprica doce, acerte o sal e coloque a pimenta moída, estando pronta, sirva com a tarhonya que foi preparada assim: Esquentar 1 colher (sopa) de azeite, juntar 1 xícara de tarhonya e misturar bem até ficar bem dourada, juntar 2 xícaras de água e cozinhar até ficar macia.

domingo, 11 de novembro de 2007

sos kifli - pãozinho de sal húngaro


















Sempre ouço dizer que existe uma grande diferença entre só cozinhar, ou cozinhar ao forno (não achei expressão melhor). Ou seja, fazer pães, bolos, tortas e afins. Tanto e que as boas cozinheiras , dizem ser aquelas de forno e fogão. As cozinheiras de mão de cheia, costumam dizer que isso exige mais habilidade e muita paciência.
Para mim soa bem e faz mais sentido as palavras "cooking & baking" pra traduzir esses procedimentos. Heheh, americanizei!!

Pois bem, estou falando tudo isso, só pra contar que pela primeira vez fui assistir a uma aula de culinária, e, detalhe - delícias das padarias húngaras.
Sim, já está claro nesse blog que sou brasileira, mas deixo claro também que tenho motivos suficientes para me esforçar e cozinhar bem todas as coisas que eu puder, da cozinha húngara.
Aqui está a receita de um pãozinho muito gostoso e tão comum nas padarias húngaras, quanto é o pãozinho francês no Brasil.

Sos Kifli
Massa:
1 3/4 xícara de leite morno
1 colher (chá) de óleo
5 colheres (sopa) de manteiga sem sal em temperatura ambiente
1 colher (chá) de açúcar
1/2 colher (chá) de sal
1 ovo mais uma gema
2 colheres (chá) rasas de fermento (seco) para pão
1/2 kg de farinha de trigo

Para cobertura:
1 gema de ovo
sal marinho grosso e sementes de cominho (caraway seeds)

Em uma tigela, comece misturando o leite morno com o fermento, sal e açúcar ate dissolver bem. Junte o restante dos ingredientes líquidos e misture. Aos poucos junte a farinha e misture ate estar tudo bem incorporado. Transfira a massa para uma superfície enfarinhada e sove bem. Formar uma bola, colocar numa tigela grande, polvilhar com um pouco de farinha (para evitar a formação de crosta) cobrir com uma toalha de cozinha e deixar crescer ate dobrar de volume.
Dividir a massa em 3 partes iguais e esticar com o rolo formando círculos com 1 cm de espessura. Cortar em 8 triângulos como se fosse uma pizza e enrolar cada triângulo, começando pela parte mais larga mantendo bem apertado em formato de lua crescente. Pincelar com a gema, chuviscar com as sementes e/ou sal marinho.
Colocar em forma untada e levar para assar em forno pré-aquecido a 190ºC por 20 a 25 minutos.





quinta-feira, 8 de novembro de 2007

sagú - tapioca pudding



Sagú remete as memorias da infância, sobremesas simples e gostosas. Minha mãe estava sempre muito ocupada com os filhos e o marido e não sobrava muito tempo para coisas complicadas e elaboradas. A opção era por receitas de preparo fácil. As bolinhas brancas de tapioca - aqui conhecidas por "tapioca pearls", são totalmente neutras e aceitam muito bem variações com vinho, sucos e frutas.
As receitas de pudim de tapioca que encontrei são muito ricas em calorias, pois levam ovos, creme de leite e açúcar. Como não estou podendo abusar tanto, arrisquei esse sagú numa versão bem mais simples e acalmei as lombrigas.

Fervi 2 xícaras de agua, coloquei 1 xícara de sagú - usei o de bolinhas bem pequenas, diminui a temperatura e fui mexendo ate ficar transparente. Juntei aos poucos 1 xícara de leite condensado, 1 xícara de creme de coco e uma pitada de sal. Misturei ate ficar bem incorporado e despejei em taças de servir e levei a gelar.

tempo de mixiricas


quarta-feira, 7 de novembro de 2007

e lá se foi mais um ano...muito feliz












Sete de Novembro é nosso aniversário. Celebramos mais um ano de parceria, cumplicidade e true love. Quarta-feira, meio de semana em pleno outono de dias curtos e noites longas, fomos para o Santana Row passear um pouco e mais tarde decidir por um jantarzinho leve, num daqueles lugares bacanas de lá. Desta vez, escolhemos o Yankee Pier lugar informal de frutos do mar estilo New England. A ideia de "leve" evaporou assim que abrimos o menu. O Geo optou pelo já favorito Captain's Plate e eu pelo Steamed Mussels. No fim, até que foi leve. Pulamos as entradas e saltamos de banda as sobremesas. Ficam pra próxima!

sweet moments - gestos simples que adoçam a vida










partners for life - happy anniversary


segunda-feira, 5 de novembro de 2007

Rosas,Iris, beleza e perfume...








manha de domingo em santa cruz




Domingo com mudança de horário e uma manhã de outono bonita e ensolarada. Decidimos que íamos ver o mar. Apenas 35 km de estrada pelas montanhas nos separam das belas paisagens desta cidade famosa pelo surf em águas geladas.
À caminho, do alto da montanha já se avistava o forte nevoeiro sobre a orla do Pacifico. Desistir nem pensar, estamos determinados para nossa caminhada.
Mas, primeiro, o café da manha aqui. Esse lugarzinho simpático, já nosso velho conhecido, esta sempre lotado. Tínhamos pressa, então optamos pelo saudável açaí na tigela. Isso mesmo, vindo la do Brasil. Já alimentados, fomos felizes para nossa caminhada pela praia, envoltos pela densa e misteriosa bruma. Burrr, que frio! Mas, californianos prevenidos sempre tem jaquetas no carro, just in case... e realmente foi necessário.













quinta-feira, 1 de novembro de 2007

Bolo com banana e caramelo


Banana e caramelo e uma combinação bem feliz.
Este bolo de bananas com caramelo é um dos meus prediletos. Fazia muito tempo que andava com uma vontade danada de fazer um. Hoje tomei coragem e decidi. Liguei para minha mãe e peguei esta receita bem facinha, e rendeu um bolão. O resultado está aí, fofinho e muito bom.
Preparei um caramelo com 2 xícaras de açúcar e 1 1/2 de água, despejei numa forma retangular de 35 x 30 cm. Cortei 6 bananas bem maduras em rodelas e coloquei por cima do caramelo. Salpiquei então uma nuvenzinha fina de canela em pó sobre as bananas que cobri com a massa do bolo.
Massa do Bolo:
Coloquei para bater 4 colheres (de sopa) de manteiga , 2 xícaras de açúcar (*usei 1 e ½) e 3 gemas que bati até obter um creme fofo. Diminui a velocidade e juntei alternadamente 3 xícaras de farinha de trigo já peneirada com 1 colher (de sopa) de fermento em pó, 1 xícara de leite e 2 colheres (de sopa) de rum.
Numa outra tigela, bati as 3 claras em neve e incorporei à massa com movimentos leves de baixo para cima, sem bater. Assei em forno pré-aquecido 365ºF (185ºC) por 40 minutos - testei com o palito, que saiu limpinho.
Tirei do forno, deixei esfriar por 15 minutos sobre uma grade e virei sobre um prato de servir.
*Na medida do possível, tento diminuir a quantidade de açúcar pedida em receitas brasileiras. Segundo o paladar do meu europeu mais próximo, elas são doces demais...concordo!


quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Terremoto, uma expêriencia...

Hoje o susto já passou. Mas a experiência faz pensar, pensar muito e é noticia local .
Quem mora aqui na Califórnia sabe que temos pequenos terremotos todos os dias. Com variação de intensidade, e em diferentes regiões, basta dar uma olhada aqui .
Apesar de bem informados, sempre somos pegos de surpresa.
Podemos com precisão saber a previsão do tempo. Quando e quanto vai chover, esfriar, fazer calor, quanta neve vai cair, onde vai ser, etc e tal. Mas os terremotos, esses, vem sempre inesperadamente.
Algumas outras vezes eu já havia sentido tremores menores, com uma sensação de vertigem rápida e passageira. Mas ontem a noite foi forte, 5.6 de intensidade.
De repente o mundo balança. Fiquei paralisada pela surpresa, confusa pela profusão de barulhos que não conseguia identificar. Olhei pela janela, vi os carros parando...chamei pelo meu marido que via televisão na sala. Ele veio rápido e disse, " yes, yes, it's an earthquake, don't worry, come here" - mais experiente, pois já ele viveu tremores bem mais fortes por aqui - me puxou para um lugar mais seguro na casa, onde nada pudesse cair sobre nossas cabeças, me abraçou forte e assim ficamos, até que aqueles poucos segundos passassem. Segundos que duraram uma eternidade pela profusão e velocidade dos nossos pensamentos.
Ai veio o silencio, um silencio absurdo. A única coisa que se ouvia eram as batidas dos nossos corações ainda assustados. Aos poucos notamos que tudo havia passado. Um sino de vento ainda tilintando, as cortinas, a lâmpada sobre a mesa de jantar ainda balançavam. Abrimos a porta da varanda e vimos a água da piscina tremendo, parecendo em ebulição. Os vizinhos saiam para fora de suas casas conversando, carros retomavam seus caminhos.
Saímos para ver se na garagem alguma coisa havia despencado. Estava tudo em ordem. Encontramos um casal de vizinhos que acabavam de chegar em casa e foram pegos enquanto ainda dirigiam. Comentamos o incidente. Uma outra vizinha já levava seu cachorro inquieto para passear e contou-nos que na casa dela alguns objetos caíram das prateleiras.
Felizmente nada de ruim nos aconteceu, nem na nossa casa.
Voltamos a ver televisão para se ter mais notícias e mais tarde ir dormir, com a certeza da nossa vulnerabilidade.

terça-feira, 30 de outubro de 2007

trick-or-treats... happy halloween!!!
























Já disse e repito, sou uma novata na arte de cozinhar.
Mas, docinhos! Ah, esses eu aprendi a fazer bem cedo.
Sempre arranjo uma boa desculpa para te-los por perto...
and halloween just arrived!
Então vamos aos beijinhos, docinhos
...

Beijinhos de Coco
Ingredientes
- 2 latas de leite condensado
- 2 colheres (sopa) de manteiga
- 300 g de coco fresco ralado fino
- Açúcar cristal
- Cravos-da-índia para enfeitar
Modo de preparo
Numa panela de fundo grosso, misture as 2 latas de leite condensado, 2 colheres (sopa) de manteiga e 300 g de coco fresco ralado fino, leve ao fogo baixo, deixe apurar por mais ou menos 15 minutos - até soltar do fundo da panela
Retire do fogo e deixe amornar.
Faça bolinhas, passe pelo açúcar cristal, coloque em forminhas e finalize com cravos-da-índia.
Docinhos de Abóbora
Por não terem fiapos, butternut squash or kanbutiã (a.k.a, abóbora japonesa), são as melhores para fazer os docinhos. Usei a japonesa que cortei em pedaços grandes, tirei as sementes e assei com casca envolta em papel alumínio ate ficar macia. Tirei as cascas e transformei em puré.
A abóbora pode ser cozida em água ao invés de assar, mas ai deve ser bem escorrida.
Ingredientes:
- 500g de puré de abóbora
- 1 lata de leite condensado
- 1 colher (de sopa) de manteiga
- 4 cravos-da-índia
- Açúcar cristal * usei açúcar cristal multicolorido
Modo de Preparo
Numa panela de fundo grosso, misture o puré de abóbora, leite condensado, a colher de manteiga e os cravos, em fogo baixo, mexendo sempre até desprender do fundo da panela (de 15 a 20 minutos)
Retire do fogo, deixe amornar e descarte os cravos.
Enrole os docinhos e passe pelo açúcar, coloque em forminhas e decore a gosto.

segunda-feira, 29 de outubro de 2007

é saudade, da boa ...






















Que bom ter uma amiga que não me esquece e também não me deixa esquece-la . Obrigada Mara querida, pela amizade bacana, pela lembrança deste lugar tão lindo e pelas fotos do edifício onde foi meu lar. Tenho saudades das nossas caminhadas pela praia, das conversas boas e longas, mais longas até, que nossas caminhadas. Coisas boas de lembrar...pra sempre!

Sábado bem brasuca em San Francisco










Estivemos la algumas vezes, sempre para jantar. Já levamos nossos amigos, húngaros, russos e americanos. Desta vez fomos para almoçar e levamos LG para ser apresentado ao mundo das carnes espetadas do churrasco a rodizio.
É ainda muito engraçado ver a reação dos gringos iniciantes, quando da aparição sequencial dos espetos. Olhos arregalados que brilham com intensidade compatível ao nível carnívoro do individuo.
Com o LG não foi diferente, ele gostou e comeu muito. Quanto ao Geo nem preciso dizer, comeu, comeu e comeu...mas isso não e nenhuma novidade.
Eu cá, com meu passado de vegetariana falida, com satisfação observando o programa familiar e aguardando com ansiedade a sobremesa. Para mim mousse de maracujá - deliciosa - servida numa crosta de caramelo crocante - bonita, mas absolutamente dispensável - para o Geo, pudim de leite com calda de caramelo. E o LG não gosta de doces! pois é. E, la se foi mais um dia feliz e de muita comilança.